sexta-feira, 31 de março de 2017

VIVA O PRESENTE

 Existem pessoas que se centram no passado e isso as impede de avançar para um futuro melhor.

Reflitam...

Este passado pode machucar, mas não é possível mudá-lo, por mais que a gente queira. É por isso que a vida consiste em desfrutar o poder do agora e em viver o presente para podermos encontrar o caminho da felicidade.

A consciência está no aqui e agora

Para viver no momento presente, a sua consciência deverá estar centrada no aqui e agora. Você não vai se sentir preocupado com o futuro, e os sentimentos negativos não vão te proibir de avançar por causa do seu passado. Viver no presente implica que você está vivendo no que está acontecendo agora mesmo.

O passado e o futuro são como ilusões, estão na sua mente; no entanto, o passado já não existe e o futuro ainda não chegou. A verdade é que o amanhã nunca chega, visto que é somente um conceito que temos para poder entender a linha do tempo. Um tempo que é sempre agora, neste preciso instante.

A diferença entre o passado, o presente e o futuro é só uma ilusão persistente.”
-Albert Einstein-

Viver no presente poderá mudar a sua vida

Se você não vive no presente, é porque está vivendo uma ilusão. Quantas vezes você se preocupou e até se sentiu mal por coisas que não sabia se realmente iam acontecer? Quantas vezes você se culpou por erros cometidos, independentemente do tempo que passou? Se você já fez isso muitas vezes, é porque às vezes se sente preso às ilusões passadas e futuras.

Viver no presente vai te ajudar a melhorar o seu bem-estar emocional, mas também poderá melhorar a sua saúde física. Não viver no presente vai afetá-la gravemente. O estresse mental causado por viver nas ilusões e preocupações terá um impacto negativo sobre a sua saúde física e emocional.


Quando você vive no presente, faz as pazes com o seu passado e não tenta controlar o futuro, você estará vivendo na aceitação. Você vai começar a aceitar a vida como ela é agora, não como você gostaria que tivesse sido.

Quando vive na aceitação, você percebe as coisas como elas são. Você vai poder perdoar a si mesmo pelos erros cometidos no passado e também encontrar a paz no seu coração, sabendo que o que tem que acontecer vai acontecer.

Às vezes é difícil viver no presente

Algumas pessoas sentem uma ansiedade profunda porque continuam olhando para trás ou porque não param de tentar prever o futuro. Mas a maior razão pela qual muitas pessoas lutam para viver no presente é porque não nos calamos nem deixamos de pensar. Estamos constantemente falando de nós mesmos; é difícil ouvir outra coisa que não os nossos pensamentos… e nos esquecemos de nos conectar com a realidade.

As pessoas gostam de criar histórias, contá-las e escutá-las dos outros para compará-las com as nossas. Isso não é algo ruim e, de certo modo, a vida é feita de histórias. O problema começa quando sentimos a necessidade de criar histórias sobre tudo e confundimos o mundo. A realidade não é um conceito, a realidade é o agora. Quando nos dermos conta disso, vamos encontrar a paz em nosso interior.

“O futuro nos tortura, o passado nos aprisiona. Eis que nos escapa o presente.”
-Gustave Flaubert-


Liberte-se do passado e comece a viver o agora

A pior coisa de viver no passado ou de pensar constantemente no futuro é que você está renunciando ao seu poder interior. Se você não vive no agora, estará renunciando a sua vida, estará vetando a sua capacidade de criação e esquecendo que você é o único que tem a oportunidade de moldar a sua vida para o seu bem-estar emocional.

Se você precisa fazer mudanças na sua vida para estar melhor, não espere mais e faça isso agora. Você só irá encontrar o seu caminho começando a caminhar. Se você está vivendo no passado, deve saber que você não pode fazer nada para mudá-lo, e se você só se preocupa com o futuro… você não pode fazer nada para melhorá-lo, a não ser que o faça agora, no presente. Se você quer viver em paz com o seu passado e em um futuro melhor, aceite a realidade que tem hoje.

Parece complicado viver no presente, mas você só terá que quebrar as cadeias do passado e deixar de prever o que vai acontecer no futuro. Trabalhe no presente e o passado será composto por boas recordações, e o futuro será o caminho que você está percorrendo
.

Fonte: a mente é maravilhosa/Velho Sábio

Prisão disciplinar de militares no RN fere acordos internacionais, diz OAB

A prisão de três dias, punição imposta a um soldado do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte que usou um grupo de WhatsApp para convocar associados para uma reunião, trouxe à tona uma questão controversa no meio militar: a prisão administrativa – castigo disciplinar comumente aplicado em caso de transgressão do regimento interno das corporações. A OAB-RN defende a reforma do regulamento e alerta: o Estado, enquanto mantiver a prisão disciplinar, estará ferindo acordos internacionais de direitos humanos.

Conselheiro e presidente da Comissão de Segurança Pública e vice-presidente da Comissão de Direito Militar da OAB-RN, o advogado Bruno Costa Saldanha ressalta que tratados internacionais de direitos humanos firmados pelo Brasil são contrários a este tipo de penalidade. “Nossa missão institucional não é apenas a de defender os interesses da classe dos advogados, mas, também e principalmente, a da defesa intransigente da Constituição Federal, notadamente quanto aos direitos humanos. A prisão disciplinar vem sendo objeto de debate em várias comissões da OAB, nas quais concluímos que é ilegal este tipo de penalidade prevista no Regulamento Disciplinar da Polícia Militar do RN e que também é aplicável aos bombeiros”, enfatiza.
O advogado vai além. Saldanha explica que a OAB é contra a prisão administrativa de policiais e bombeiros militares por entender ser incompatível com o ordenamento jurídico. “Existem outras formas para garantir a hierarquia e a disciplina que não o cerceamento da liberdade do profissional de segurança pública. Não é a concepção mais moderna, especialmente pelo fato de quem muitas destas prisões disciplinares decorrem de outras violações constitucionais, como o cerceamento da liberdade de expressão, liberdade de pensamento, de associação e até mesmo liberdade acadêmica”, acrescenta.

Ainda de acordo com o representante da OAB, o RN precisa seguir o exemplo de outros estados que aboliram as prisões administrativas e/ou reformularam seus regulamentos disciplinares. “É o caso de Minas Gerais, que desde 2002 transformou o regimento das corporações em Código de Ética. Já na vizinha Paraíba, o governador Ricardo Coutinho, desde o ano passado, baixou decreto afastando a execução da pena de prisão disciplinar para militares estaduais. Ele compreendeu que a execução destas penas pode gerar prejuízos ao Estado brasileiro perante organismos internacionais e acordos sobre direitos humanos firmados pelo Brasil que têm status de norma constitucional desde 2004”.
'Regulamento arcaico' 
No RN, a polêmica gira mesmo em torno do Regulamento Disciplinar da PM, que desde a época da ditadura norteia a conduta dos policiais e bombeiros militares do estado. O documento, datado de 12 de fevereiro de 1982, é considerado ultrapassado. "Estamos falando de um regulamento disciplinar arcaico e que dá margem para perseguições", declarou o cabo Roberto Campos, presidente da Associação dos Cabos e Soldados da PM no Rio Grande do Norte.
Segundo o policial, o governador Robinson Faria disse durante sua campanha eleitoral que daria fim às prisões administrativas, mas a promessa ainda não foi cumprida. "O governador da Paraíba acabou com isso através de decreto. O RN também precisa sair do discurso. O nosso regulamento, do jeito que está, suprime a liberdade de expressão e não permite que a sociedade tome conhecimento dos abusos que ocorrem dentro dos quartéis”, reforçou Campos.

Medidas judiciais
“O governo do Estado, no início desta gestão, criou uma comissão para discutir a modernização da legislação dos policiais e bombeiros. A OAB até foi convidada a participar, mas depois deixou de ser chamada para as reuniões. É ponto pacífico entre os envolvidos nos debates que a prisão disciplinar deve deixar de existir pelos motivos que já mencionei, portanto, é questão de tempo para que ela seja extirpada da vida dos profissionais da segurança pública que se organizam militarmente”, disse Bruno Saldanha.
O advogado informou ainda que a OAB abriu diálogos com os comandantes da PM e do CBM, assim como também com representantes da Secretaria de Segurança e Gabinete Civil, e que, caso o estado não acabe com as prisões disciplinares, não descarta ter que acionar o Estado na Justiça. "Já enviamos nosso parecer para que o governo decrete, pelo menos até a edição do Código de Ética, a vedação do cumprimento de qualquer pena de cerceamento de liberdade pelos militares estaduais. Esperamos que nos próximos dias isso seja efetivado. Caso contrário, teremos que estudar outras medidas, não descartando-se as judiciais, embora achemos que isso não será necessário dada a disposição do governo em negociar esta saída", afirmou.

Anderson Barbosa Do G1 RN

quinta-feira, 30 de março de 2017

Os possíveis impactos da lei da terceirização.

Segundo o entendimento atual da Justiça do Trabalho, apenas as chamadas "atividades meio" podem ser terceirizadas hoje no país - ou seja, uma empresa de sapatos não pode terceirizar as atividades diretamente ligadas à produção dos calçados, mas pode contratar trabalhadores de outras empresas para desempenhar funções auxiliares, como limpeza e segurança.
Se a nova lei aprovada no Congresso entrar em vigor, qualquer atividade de uma empresa poderá ser terceirizada. A expectativa agora é que o Senado vote outra proposta de liberação da terceirização que seria menos danosa ao trabalhador. Se isso acontecer, Temer poderá optar entre as duas ou fazer uma mix de ambas as propostas, vetando alguns pontos de cada uma delas.

Aumento do emprego ou precarização das condições de trabalho?
Críticos da ampliação da terceirização dizem que esse modelo vai provocar a precarização das condições de trabalho.
Segundo estudo feito pela CUT (Central Única dos Trabalhadores) e o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) a partir de dados de 2013 do Ministério do Trabalho, terceirizados trabalham em média três horas a mais por semana que os contratados diretos, ao mesmo tempo em que ganham salários em média 25% menores.
Além disso, também costumam sofrer mais acidentes de trabalho, aponta a pesquisa.

Outro estudo, publicado em nota técnica do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica aplicada) a partir de dados de 2007 a 2012 do Ministério do Trabalho, estimou uma diferença menor entre os salários.
De acordo com esse levantamento, terceirizados ganham em média 17% a menos que os contratados. Os autores da pesquisa, porém, concluem que outros fatores impactam essa diferença, como disparidades no nível de escolaridade dos trabalhadores, idade, gênero, cor, tempo de serviço, entre outras. Quando excluídos esses fatores, calculam, a diferença cai para 3% em média.
O deputado Laércio Oliveira (SD-SE), relator da proposta na Câmara, contesta o argumento de que a terceirização promove uma precarização das condições de trabalho.
Segundo ele, o objetivo dela é permitir que companhias contratem serviços de empresas especializadas em determinadas atividades, aumentando a eficiência da produção. Isso, segundo ele, vai melhorar o desempenho delas, possibilitando a geração de mais empregos.
"Terceirização não é precarização, é eficiência. Precarização é falta de emprego. Situação que o país vive hoje por uma legislação ultrapassada. Isso que é precarização", afirma Oliveira.

"O que estamos fazendo, o que o governo Michel Temer está fazendo, é modernizando as relações de trabalho no Brasil para que a gente consiga, em curto prazo, resolver o problema do desemprego", reforçou.
De acordo com o deputado, a terceirização não traz qualquer perda de direitos ao trabalhador, pois os terceirizados são contratados com carteira assinada.
Os críticos à ampliação da terceirização, por sua vez, dizem que o único fator que de fato gera emprego é o crescimento econômico. Segundo eles, eventuais economias geradas pela terceirização para as empresas serão convertidas em aumento das margens de lucro, e não em mais contratações.
"Levamos a proposta de que a nova lei estabelecesse que o trabalhador terceirizado tivesse o mesmo salário do contratado direto. Não foi aceita a proposta, e nem seria, pois justamente na diferença salarial entre o terceirizado e o trabalhador contratado diretamente que há essa margem de lucro da empresa intermediadora", afirma Germano Silveira, presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra).

Defensores da nova lei para terceirização defendem que ela trará mais segurança jurídica para as empresas e os cerca de 12 milhões de trabalhadores terceirizados que existem no país.
Como atualmente não há legislação específica que regule esses contratos de trabalho, as regras foram estabelecidas por meio de decisões da Justiça do Trabalho.
"O projeto (de lei aprovado) garante, ainda, maior segurança jurídica. Isto é essencial para as empresas que buscam, na terceirização, uma alternativa para serviços especializados e o aumento da competitividade", disse a Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) em nota divulgada nesta quinta-feira.
O presidente da Anamatra, por sua vez, diz que a nova lei reduz as proteções ao trabalhador e vai gerar mais ações na Justiça.
Um ponto polêmico do projeto aprovado nesta quarta-feira é a definição de que as empresas contratantes dos serviços terceirizados têm apenas responsabilidade subsidiária às empresas prestadoras de serviço.
Na prática, isso significa que, caso a empresa prestadora do serviço deixe de pagar benefícios dos empregados, por exemplo no caso da mesma falir ou ser fechada pelos donos, esses trabalhadores não podem acionar imediatamente a empresa contratante na Justiça.
Primeiro, é preciso acionar apenas a empresa prestadora do serviço.
O outro projeto de lei, aprovado em 2015 na Câmara e que está desde então parado no Senado, previa a responsabilidade solidária das duas empresas. Isso permitiria ao trabalhador processar as duas empresas ao mesmo tempo.

"Na responsabilidade subsidiária, a Justiça tem que primeiro tentar executar aquela empresa que você já sabe que não tem como dar retorno, que não tem patrimônio. Fica-se gastando uma energia absurda processual, procurando bens daquela empresa da qual não tem o que tirar, para somente depois passar a executar a outra empresa responsável. Você vai gastar anos correndo atrás de uma moeda podre e o trabalhador vai ter que ficar esperando", critica Silveira.
"Essa lei não produz nenhuma segurança jurídica. É uma lei ruim, mal redigida e fere a Constituição. Acho que vai gerar um número de ações ainda maior", acrescentou.
Para o deputado Laércio Oliveira, ocorre justamente o contrário. Se houver responsabilidade solidária, cria-se um vínculo de "subordinação" do terceirizado com a empresa contratante, abrindo espaço para processos na Justiça.
"Se a responsabilidade for solidária, não faz sentido algum fazer a terceirização. O funcionário não é dele (da empresa contratante do serviço terceirizado). Já pensou você ter controle do funcionário que não é seu? Isso vai significar subordinação, aí daqui a pouco começa a aparecer milhares de ações contra a empresa buscando o vinculo empregatício", argumentou.
"O funcionário terceirizado é subordinado à empresa prestadora de serviço e não à que contrata", disse ainda.
Qual vai ser o impacto sobre o setor público e os concursos?
A nova legislação vai liberar a terceirização ampla também no setor público. Para o presidente da Anamatra, isso vai aumentar a substituição de servidores concursados por terceirizados.
O deputado Laércio Oliveira diz que isso não é verdade porque as carreiras exclusivas de Estado jamais podem ser terceirizadas.
Silveira, por sua vez, afirma que outras atividades do setor público, com a nova lei, agora poderão.
"A terceirização vai atingir carreiras auxiliares no Poder Público, como técnicos, analistas. Evidentemente que não vão poder ser terceirizados carreira de juiz, procurador, mas carreiras na Petrobras, nos bancos, essas serão certamente terceirizadas", disse.
"Por exemplo, a função de escriturário, cuja terceirização na Caixa Econômica, há 20 anos, foi muito intensificada e depois proibida", acrescentou.
Germano Silveira lembra ainda que está em análise no Supremo Tribunal Federal se o Poder Público pode ser considerado responsável subsidiário no caso das empresas contratadas deixarem de pagar os funcionários terceirizados.
O processo, que terá repercussão geral, trata do caso de uma recepcionista terceirizada que não teve verbas trabalhistas pagas pela empresa.
A União recorreu ao STF contra uma decisão da Justiça do Trabalho que determinou que o Poder Público deveria pagar esses benefícios devido a sua omissão na fiscalização da companhia que prestava o serviço.
O julgamento do Supremo está empatado em cinco a cinco. Caberá ao novo ministro, Alexandre de Moraes, decidir a questão.

Fonte:  Da BBC Brasil em Brasília

quarta-feira, 29 de março de 2017

OPORTUNIDADES

Às vezes sentimos que quando algo termina, o mundo cai sobre as nossas cabeças de forma precipitada. Contudo, existe outra forma de encarar isto, e é que talvez estejamos sendo abençoados com a dádiva de uma nova possibilidade de começar outra aventura excitante.

Proponho a vocês um exercício de reflexão. Nos próximos minutos, vamos nos perguntar por que as portas se fecham, que experiência e sabedoria cada uma delas nos deixa e como podemos aproveitar estes conhecimentos para abrir novos mundos cheios de oportunidades.

“Não seja como a maioria que morre esperando a sua oportunidade e passa a vida dizendo: acontece que a minha não chegou.” -Héctor Tassinari

Por que uma porta se fecha?

Você já pensou alguma vez em por que uma porta se fecha? Não se esqueça de que estamos falando em sentido figurado. Uma porta física pode ser fechada por um empurrão, pelo vento, por acionar a fechadura, por distração… existem muitas possibilidades.

Agora vamos extrapolar um fechamento de portas para a vida humana. Por que se fecham ou as fechamos? Existem muitos motivos nos quais podemos pensar, situados em dezenas de possíveis cenários. Vejamos alguns:

•Um relacionamento amoroso que acaba. Você pode pensar que quando já não existe mais nada pelo que lutar em um relacionamento, você fecha a porta, já que onde anteriormente houve chamas e um fogo poderoso, já não restam nem sequer brasas ou cinzas.
•Uma amizade que acaba. Às vezes um bom amigo pode nos trair tanto que somos incapazes de perdoá-lo. Fechamos a porta para evitar que continue nos machucando e acabamos com um relacionamento para nos afastarmos da dor.
•Um trabalho que acaba. Muitas vezes, em trabalhos onde não estamos felizes ou porque surgem novas oportunidades de negócio, decidimos abandonar e procurar outros caminhos profissionais. Às vezes são decisões dolorosas e difíceis de tomar.

O que acontece ao fechar uma porta?

Na maioria das vezes, fechar uma porta supõe uma dor enorme. Se você tem que abandonar o seu companheiro porque já não existe nada do que houve antes, acabar o seu relacionamento de amizade com alguém, deixar um trabalho no qual você foi feliz, ir embora da cidade onde você mora… tudo isso pode provocar um grande sentimento de tristeza.

Muito bem, agora pensemos nas circunstâncias que nos levaram a fechar estas portas. Por que chegamos a este ponto? O que aconteceu para que eu tenha que deixar o meu companheiro ir embora, uma pessoa que um dia foi o centro da minha vida? Por que tenho que ir embora da cidade onde sou feliz?

Reflita bem e sem pressa sobre as decisões que você tomou e por que chegou até esta situação. Não comece a julgar os outros sobre tudo que está lhe acontecendo, mas encontre também a sua parte de responsabilidade, porque sempre existe alguma coisa que talvez você pudesse ter feito melhor ou que deveria ter dito antes. Ou talvez não, mas é importante que você tenha isto bem claro, que você analise e aprenda.

Novas portas se abrem

Agora, uma vez que fechamos a porta e refletimos sobre os fatos que nos levaram a esta situação, chega o momento de descobrir novas oportunidades e desfrutar do mundo que se abre diante de nós. Abrace-o com todas as suas forças, porque ainda há muito por fazer.

“Um problema é uma oportunidade para você fazer o seu melhor esforço.”
-Duke Ellington-

Você passou por uma má experiência tendo que fechar a porta para alguém ou
algo que você amava, que lhe importava ou que lhe importunava. Já refletiu e aprendeu duras, mas sábias lições após o acontecido. Agora, com essa nova experiência adquirida, você precisa olhar para o futuro com otimismo e descobrir as novas oportunidades que se abrem diante dos seus olhos.

Você tem mais experiência e sabedoria. Use-as para aprender com as jogadas erradas e evite repeti-las. Aprenda com os momentos em que você trabalhou no caminho certo e reforce seus comportamentos em futuras experiências. Aproveite todas as oportunidades que a vida lhe oferece.

Nada termina. Tanto se você abandona uma pessoa querida como se você perde um grande amor, a sua vida não acaba. Ainda há muito por fazer, um grande número de portas para abrir, aventuras das quais desfrutar, gente para conhecer, trabalhos para começar, cidades para visitar.

Fonte: a mente é maravilhosa/velhosabio.com.br